domingo, 27 de novembro de 2011

Alice In Wonderlands

Alguns filmes especificos eu assisto bem depois, mas bem depis memso que fizeram sua carreira no cinema e ninguém mais comenta sobre eles.

Lewis Carrol, a quem se atribui a autoria desta fantastica história (digo atribuo porque os especialistas não chegam a uma certeza absoluta e nao vou dar crédito sem certeza) certamente aprovaria o nome do meu diretor de cinema favorito (Tim Burton) como diretor deste filme e talvez ficasse reticente com a escolha de J.Deep.

Bom, o filme é uma sucessão de erros, incontáveis erros. Burton, que faz desde blockbusters como "Batman" a exercicios de delicada beleza como "Big Fish" passando por bizarrices deliciosas como "Corpsy Bride" errou feio aqui.

A protagonista, uma atriz tão entusiasmante como um tratamento de canal é ápatica do inicio ao fim do filme. Não creio que isso se trata de um "registro" autoral, e sim de sua total falta de expressão e talento. Adireção de arte é imnpecável a mente de Burton recria uma Wonderland a perfeição, mas o filme não tem alma.

Deep por seu turno não sabe o que está fazendo em cena. Parece que atuar ali é um enfado, algo que ele não queria e nem de longe lembra o Jack S, de "Piratas do Caribe" em que a diversão era a tonica de sua boa atuação.

Ele já tinha errado o registro em "Fabrica de Chocolate" Fazendo com que a versão com Gene Wil
der fosse 398 vezes melhor por culpa de sua atuação como um Michael Jackson enlouquecido. Seu Willy Wonka deveria ser limado de sua biografia que pra sermos bem sinceros ainda em contra em "Anjos da Lei" seu ponto mais alto.

Infelizmente Alice in Wonderlands é um filme com visual hipnotizante, (como hipnotizante deve ser o que sai do narguilé do oráculo no inicio do filme... maconheiro sem vergonha!!! kkkkk) mas padece de alma e de uma minna vontade de Deep e Burton em atuar e dirigir respectivamente.

É isso.

Ouvindo: Pato Fu
Postar um comentário