quarta-feira, 5 de outubro de 2016

O Valor de Graziela



De verdade, já disse isso algumas vezes, mas é sempre bom repetir. Graziela é além da pessoa que amo, a minha heroína. Sim, literalmente Graziela salvou e salva a minha vida em diversas oportunidades. É como se eu pudesse gritar por socorro sempre que necessário sabendo que ela vai estar ali para me ajudar.

A paciência que Graziela tem comigo é absurdamente grande, algo que ninguém mais teve ao longo da vida e só isso já é mais que suficiente para lhe dar todas as medalhas de honra ao mérito da história! Conviver comigo e meus rompantes é muito difícil, cansativo, excruciante, pra ser sincero e ela sempre esta ali, pronta a suportar palavras duras, atos impensados, ser a pessoa que ao meu lado está e me ama. O valor de Graziela? Inestimável!!! Não consigo mensurar pois ela é aquela pessoa que sabe o que faz e quando faz e como faz.

Claro que ela tem seus defeitos, mas perto de mim, é um ser imaculado. Eu sei bem quem eu sou. Se eu fosse uma Besta Fera, ainda teria algum charme, mas não passo de uma Fera Besta. Tive a sorte em minha vida de no curso final dela encontrar Graziela.  Um amor maduro, que só não é tranquilo porque eu sou tempestade, sou trovão, sou o furacão que a tudo traga da pior forma possível. Mas como em Twister, um filme bem bobo de mais de 20 anos atrás, Graziela caça os furacões e acalma a alma.

Não que eu não seja fácil, sou impossível. Sou a chuva localizada em dias de Sol aberto. Sou o buraco em uma Autobahn que vai tragar uma Mercedes a 300km/h. Quem convive comigo mais que um certo tempo diminuto, não sabe no que esta se metendo. Claro, tenho minhas qualidades, e mesmo poucas são superlativas, o que fode, é que meus defeitos que são muitos, também são superlativos, som e fúria, vidros quebrando não em micro-pedaços mas em pontas agudas e prontas a entrar pela carne de quem esta perto.

Em alguns momentos sou monstruoso, tenho que admitir, Mr Hyde não tem chance dentro de mim, o triunfo sempre é de Dr Jackyll, sempre a face mais obscura e dolorosa de mim mesmo vence e vence de goleada. Posso tentar ser melhor, mas sempre falho miseravelmente e Graziela, a valorosa, está lá. Sempre está lá! Cura as feridas me passa seu unguento curador e me põe para dormir.

Sou um boçal na maioria das vezes e ela me perdoa. Como não ama-la? Como não me sentir o homem com mais sorte no mundo? Obrigado, Graziela, por existir.

É isso

Ouvindo: J. Cash, que como eu era  meio atrapalhado e não sabia amar.
Postar um comentário