terça-feira, 20 de dezembro de 2016

my valentine (post para graziela)





em um ano difícil, onde metaforicamente é claro, choveu demais, ela esteve ao meu lado dizendo que o tempo mudaria. e tem mudado mesmo. as noites e os dias passando por mim, e ela ao meu lado, não como um sinal que eu esperava, mas como o único fio de esperança possível de que a vida seria melhor, ou poderia ser melhor do que estava sendo. e quer saber? a vida foi ótima, porque foi passada ao lado dela.

a gente não se importou com a chuva, não se importou com a tempestade que teve, porque ela é o meu amor e eu sou o amor dela. porque a vida sem ela seria insuportável e porque estarmos juntos nos faz vencermos desafios que sozinhos, não teríamos conseguido exito. a vida nos foi dura, mas a suavidade de suas palavras, de sua voz de suas colocações ponderadas, transformou a dureza e aridez em algo possível de ser vivido.

existiram dores, mas existiram também momentos únicos, cheio de ternura e amor, cheios sobretudo de certeza de que nenhuma dor dura para sempre. e por mais que durem, são amenizadas quando existe um amor como ponto de referência. e quantos e incontáveis vezes não foi assim comigo? e sempre que precisei e me virei para ver o nosso amor como esta referência tão forte de que tudo ficaria bem, ela estava lá. braços abertos, coração cheio de amor e perdão, uma existência tão ímpar e necessária que não tenho palavras para denominar com a elegância devida.


somos um em dois, dois em um. somos diferentes mas dificilmente duas pessoas poderão ser tão iguais. somos aqueles que se olham e se entendem, que antecipam pensamentos que seriam do outro, somos a tradução mais bela do companheirismo e cumplicidade. brigamos e nos amamos, nos amamos e brigamos, mas sempre juntos, unidos, companheiros e é isso que importa.

a companheira que se eu pudesse moldar não o faria com tanta perfeição é graziela. o amor é graziela, a vida boa de ser vivida é ao seu lado. sou feliz. muito feliz e neste ano que se encerra em poucos dias, dou graças ao Eterno por ter graziela. a vida sorriu para mim. e  eu, em retribuição, ando sorrindo como nunca para a vida.

é isso.

ouvindo: paul maccartney (my valentine)
Postar um comentário