domingo, 26 de fevereiro de 2017

odair josé, o gênio que o brasil não reconheceu


esqueça a empregada, esqueça a pílula. em que pese o fato de a  empregada ser uma crítica social genial e a pílula uma tiração de sarro fantástica para com os milicos de bosta que o brasil sempre teve, odair  josé é  quase tão gênio como arnaldo batista o mais genial músico brasileiro.

enquanto é chique citar tom jobim, chico  buarque, caetano e gil nas rodas pseudo intelectuais, daquelas em que babacas empedernidos arrotam conhecimento que geralmente não tem, (quem adora citar tom por exemplo o faz por conta de águas de março, não por ter ouvido seu clássico e genial álbum matita perê) a odair é relegada a pecha injusta de artista brega. nada mais injusto quando se leva em conta que odair é simplesmente o autor e interprete da primeira ópera rock do brasil "o filho de josé e maria".

mais do que um álbum conceitual, "o filho de josé e maria" decretou o fim da já tatibitate carreira de odair.  e o que é mais injusto é que sua carreira (agora sendo aos poucos resgatada) foi ao fundo do poço com um trabalho simplesmente brilhante. "o filho de josé e maria"  já é genial de saída por conta de seu título. não poderia haver nada melhor, carregado de fina ironia, inteligência e claro, provocação. crentes extremistas, sejam eles católicos ou protestantes, tanto faz, merecem tomar esses safanões de vez em quando e odair deu um senhor safanão na carolice desmedida e na hipocrisia reinante que fazia e faz até hoje com que esta espécie de crente que seque ao jesus-diabo deles se sintam realmente incomodados com o que não é incomodo algum.

para além do título, o conteúdo musical é exatamente o que promete ser, uma opera rock, a única questão que é um acerto colossal de odair é ter "tropicalizado" o estilo. as guitarras são suaves, e voz de odair que não é lá essas coisas não é forçada em, momento algum. por outro lado, a crítica social está lá,  a história contada do inicio ao fim também  e principalmente a falta de compromisso com o mercado. odair não escreveu este álbum para vender, ele escreveu o ´álbum que tinha que escrever e isso por si só já é simplesmente fantástico.

o álbum como já disse destruiu sua já periclitante carreira, mas odair inteligente como ela, não devia esperar resultado diferente. isso faz com que eu tenha ainda mais respeito por alguém que em nome da arte prefere se colocar em risco comercial para obter o triunfo artístico. é raro, muito raro artistas aqui no brasil ou fora dele tomarem tal atitude. mesmo na  época de odair onde existia um compromisso com a arte real, a grande maioria de seus parceiros teria engavetado o projeto e buscado algo menos sem arriscado. odair foi em frente. contou sua história. seu disco foi queimado (literalmente) em praça pública e sua gravadora a rca victor, para qual havia acabado de se transferir apenas para lançar o seu trabalho já que a polygram, seu antigo selo, medrou e não permitiu, recolheu os discos das lojas e derreteu a grande maioria. hoje, um vinil de o filho de josé e maria quando inserido no mercado de sebos e compras online é comercializado por  entre 500 e 1.000 dinheiros brasileiros eu mesmo, se achasse um, cometeria a "loucura" de compra-lo.

a crítica da época massacrou o álbum, a igreja católica o ameaçou de excomunhão (eu deveria ter nascido católico, é uma honra ser excomungado por esses incréis e eu amaria passar por isso) e o público deu-lhe as costas. quem ouvia seu cancioneiro popular não aceitou a clara influência de peter frampton entre outros artistas de verdade em seu trabalho. na verdade é importante dizer que o trabalho original deveria ser um álbum duplo com 24 musicas, mas a gravadora não permitiu.

odair é só mais uma das inúmeras provas de que o brasil é de longe o maior celeiro de artistas na area musical que existe. artistas de qualidade, quero dizer. para cada dez porcarias, temos alguém genial o suficiente para esquecermos as tais porcarias. pena que o povo sempre escolheu o que é ruim. odair vendeu milhões de discos enquanto cantou tolices sentimentais. quando quis mostrar quem era, o público o rejeitou. teve um outro filho de josé e maria que também genial foi rejeitado pelos seus simplesmente por dizer verdades que ninguém queria ouvir. a vida é assim.

é isso.

ouvindo: odair jose
Postar um comentário