quarta-feira, 15 de março de 2017

eu não autorizo (nem o facebook, nem ninguém)


não autorizo o facebook a colonizar marte. acho que mark zuzu já esta rico o suficiente.

 não autorizo o facebook a criar estações dessalinizadoras de  água, porque cobrarão os olhos da cara pelo produto final.

não autorizo o facebook a intermediar imóveis. eles aceitariam a encheção de saco de tirar o creci? eu duvido, então de irregulares no mercado, já basta a horda que pulula pelos plantões.

não autorizo o facebook a ter um banco. eles dariam um jeito de cobrar juros espúrios e proteger a privacidade dos gerentes das agências para que não fossem mortos pelos clientes enfurecidos.

não autorizo o facebook a entrar no ramo de rações animais. certamente eles colocariam algum componente que fariam cães e gatos  virarem monstros  assassinos e poderia ser o começo do fim da humanidade.

não autorizo o facebook a virar uma religião. já tem gente demais enriquecendo em nome de Jesus.

não autorizo o facebook a entrar para o ramo da incorporação imobiliária. certamente suas casas e apartamentos teriam  dispositivos que durante o sono transformariam as pessoas que moram lá em zumbis. o caos se instalaria.

não autorizo o facebook a ter uma loja de fogos de artificio. certamente quando explodissem no céu, teriam mensagens publicitárias indesejadas.

não autorizo o facebook a criar qualquer outro aplicativo de compartilhamento de fotos. o instagram já tem toda a putaria que se pode ter neste ramo.

não autorizo o facebook a comprar os direitos sobre a discografia de tim maia. certamente eles dariam um jeito de transforma-la em sertanejo universitário.

por outro lado,

autorizo o facebook a mandar uma diarista a minha casa duas vezes por semana. duvido. mas autorizo.

autorizo o facebook, e inclusive disponibilizo meus documentos para tanto, comprar um hondacivic 2017/18 completo e para-lo em minha garagem desde que a nota saia no meu nome. me comprometo a pagar em dia todos os impostos.

autorizo o facebook a inventar uma trilha sonora obrigatória a ser ouvida enquanto as pessoas navegam por sua página, desde que é claro, essa trilha sonora seja composta de tim maia, tom jobim, aerosmith, gvb, steven curtis chapman e outros artistas  bacanas.

autorizo o facebook a distribuir notebook e outros trecos de informática, mas somente os de última geração que fique claro para as escolas das periferias das grandes capitais brasileiras. hahahahahahahahahahahahaha!

e sobretudo,

autorizo o facebook a exterminar da face da terra todos os usuários que insistirem em dizer que ele facebook é uma instituição pública e tornará pública suas postagens caso não declarem seu desacordo. suckers, suas postagens já são públicas apenas por estarem na internet, onde qualquer um consegue acessa-las se assim o quiser e por favor, alguém aqui consegue me dizer como uma empresa cotada em bolsa, totalmente pulverizada em seu capital pode ser "púlbica"???

sem mais autorizações ou negativas,

é isso.

ouvindo: tim maia
Postar um comentário