segunda-feira, 29 de maio de 2017

a pessoa que sou não é bacana como a pessoa que eu era



eu devia estar contente por ter conseguido o que eu queria. deveria. não estou. como diz raul seixas, acho uma piada e um tanto quanto perigosa. eu sei bem da minha competência. sei o quanto dou o meu melhor e busco a excelência o tempo todo, todo o tempo. mas quando me olho no espelho, vejo um sujeito chato que não acha graça em nada macaco, praia, carro, jornal, tobogã,  tudo isso pra mim é um saco.

me olho no espelho e vejo um grandessíssimo idiota. porque quem me conhece sabe o quanto eu odeio dinheiro. odeio, simples assim. e odeio ainda mais precisar tanto dele. e me esforçar tanto para conseguir e nesse esforço, estou vendendo dia a dia valores, princípios. quem sou eu? eu já não sei mais. minha limitação como ser humano é algo que me incomoda. me incomoda mais ainda saber que esta limitação é  culpa totalmente minha.

abdiquei de aprender o que realmente importa. aprendi a manejar uma hp 12c aprendi a apresentar um apartamento como poucos. aprendi a vender o que quer que seja, como poucos são capazes de ser e digo sem medo de ser imodesto, porque falsa modéstia não me convém. aprendi a conversar de igual pra igual com qualquer pessoa, aprendi a tergiversar como poucas pessoas. aprendi tanta coisa, enfim. mas e dai? o que me preocupa é o que eu não aprendi. ou pior, o que eu desaprendi.

eu esqueci trechos inteiros de livros que eu praticamente sabia de cor dado sua importância. eu esqueci movimentos inteiros de obras clássicas que eu simplesmente assobiava feliz da vida. eu esqueci finais de filmes que foram essenciais em minha vida. eu esqueci o final de "cinema paradiso" por exemplo. como pode? como fiz isso comigo mesmo?

a corretagem de imóveis destruiu a minha vida,. simples assim. destruiu. não sou nem sombra da pessoa benevolente, bacana, sorridente, feliz, que eu era antes de 16 anos atras me envolver neste mundo. gosto de ser corretor, mas não gosto do que a corretagem fez comigo. a pessoa que sou me desagrada e quando confrontada com a pessoa que era, me enlouquece. não sei o que fazer. simplesmente não sei.

queria ter escrito um post bacana, que relatasse como estou feliz por ter atingido o que queria atingir. mas acho que acabei com um saco de ouro de tolo nas mãos. a vida é uma loucura pra todos, pra mim, é muito, muito mais. eu não caibo em mim e estou cansado disso.

é isso

ouvindo: J. Cash            
Postar um comentário