quarta-feira, 10 de maio de 2017

existe um cansaço em mim



existe um cansaço em  mim. não é físico, ou não apenas físico. é interior.  as marcas de diversas lutas, decisões certas, erradas, irrefletidas, enfim, um cansaço que me feito perder a vontade, o brilho, o eterno otimismo.  aquela certa de que tudo no fim vai dar certo, a tempos eu perdi. me sinto meio a deriva, uma repetição mecânica de gestos, palavras, ações tudo isso misturado a uma incredulidade com o mundo e as pessoas que nunca tive. há tempos a vida não me é gentil.

e esse cansaço, essa falta de paciência, esse não saber mais me expressar como gostaria e preferir o silêncio entrecortado por gritos de insatisfação tem me enfastiado. o entusiasmo me abandonou. olho para cenas que antes me animavam, me encantavam e tenho total indiferença. belas canções que sempre me emocionaram passam batidas e nem um sorriso arrancam mais. esse cansaço que há em mim vai me corroendo aos poucos e ganhando a batalha contra o que ainda há de bom em mim.

na verdade é tão pouco o que tenho de bom, há tão pouco o que me orgulhar quando me confronto comigo mesmo, com a pessoa que me tornei, que me canso. gostava de quem eu era a muito tempo atrás. gostava de verdade. uma pessoa essencialmente boa, gentil. sim, eu já fui gentil, de riso fácil. o que mais escuto hoje é que tenho cara de bravo. isso também me cansa.

minhas palavras saem da boca sem cuidado, cruas, sem tratamento algum, sem uma reflexão sobre o poder que elas tem de magoar, ofender, intimidar e prefiro que seja assim porque estou cansado de pensar nas pessoas e não ter contrapartida alguma. sim, um pensamento extremamente egoísta eu sei, mas é nisso que me tornei. uma pessoa egoísta, sem paciência para com as outras, uma pessoa cansada.

existe um cansaço em mim, e ele é sem dúvida alguma culpa minha. culpa de não caber em mim. meu problema é ser um rio, não um fugitivo, apenas sigo meu curso e no mar que desemboco cabem multidões de mim, cabem 500 bilhões de mim mesmo e eu continuo a me produzir em larga escala, mesmo sem caber em mim.

todo dia eu acordo e me produzo. todos os dias, todas as horas a produção de mim mesmo me deixa extenuado, cansado, sem rumo. eu estou a deriva. existe um cansaço em mim.

é isso.

ouvindo: kades singers
Postar um comentário