terça-feira, 27 de junho de 2017

fabio assunção e o circo de horrores ao qual foi de forma vil submetido



esqueça fábio assunção como ator. nunca foi, nunca será, não ao menos como expressão séria do que signifique ser um ator ou a arte de atuar. pode ter sido um mediano ator dentro do padrão globo de atuações medíocres e ser  medíocre em uma selva de medíocres diz muito sobre alguém.  fabio fez novelas, mini séries entre outros produtos globais. por sua beleza que chega a ser escorchante em relação  ao homem médio conquistou uma multidão de fãs e com isso riqueza e fama. nada disso livrou fábio das drogas e ai chegamos ao primeiro ponto: isso não é da conta de ninguém.

anos atrás tive a chance de fazer uma foto de fábio loucaço em um logradouro conhecido dos jardins. estava com meu celular a mão, e fábio a poucos metros urinando na rua, n o que eu presumo deveria ser seu próprio carro. pensei que se fizesse a foto poderia vende-la a veículos de imprensa porque eu poderia pegar o seu rosto para provar que era ele e a cena, constrangedora renderia boas manchetes para revistas que vivem de imbecilizar ainda mais situações que por si só já são bem imbecis.

no entanto, não fiz a foto, não porque eu seja uma pessoa bacana, mas porque fábio assunção mijando na rua não me interessa. e creio firmemente que não deveria interessar a ninguém. fabio é antes de mais nada um ser humano. e seres humanos erram, acertam, fazem boas e más ações independente do dinheiro que tem ou da fala que ostentam. então, o que aconteceu com fábio dias atrás em pernambuco foi de uma brutal injustiça.

sim, injustiça. se fábio bebeu, ou cheirou, ou tomou bala, doce, o que quer que seja, não é da conta de ninguém. se ele se excedeu após tomar o que quer que tenha tomado, duvido muito, mas muito mesmo que ele necessitasse ser algemado, e mesmo preso. fica claro pelo comportamento dos despreparados policiais que fábio foi tratado como foi por ser quem é, para que a cidade que 99% dos brasileiros nem sequer sabiam que existia até então entrasse no mapa nacional. que forma deprimente de se fazer conhecer!

ainda que a a atitude de fábio fosse passível de prisão, (coisa que jamais saberemos uma vez que a policia de lá agiu como geralmente age a polícia em qualquer lugar: de forma atabalhoada e com energia desproporcional ao que é de fato necessário) não foi de forma alguma correta a forma com que  o povo se comportou, filmando a desdita de fábio, gritando de forma histérica que ali estava o ator "global" que seu comportamento era assim ou assado. para que? o que isso mudaria o fato? perdemos de ver a compaixão? vivemos sobre o signo do quanto pior melhor? vamos celebrar a estupidez humana como diria renato russo?

não admitir a covardia tanto da policia e sobretudo do populacho que se reuniu em volta de fábio para achincalha-lo é não admitir que estamos chafurdando de vez como país, mas o fato é que estamos, admitamos ou não. fábio errou ao usar substâncias entorpecentes sejam elas lícitas ou não, mas isso não é motivo para ser submetido a um carnaval fora de hora, a um circo de horrores  e a ser exposto de forma midiática e absolutamente sem sentido como foi.

se não queremos exercer a compaixão seja com quem quer que for, ao menos deveríamos deixar as pessoas viverem seus infortúnios em paz, sem nos acharmos melhor do que somos. quantos casos de alcoolismo acontecem em cada são joão em arcoverde esta terra de seres tão moralistas como patéticos? menos né? por favor, menos.

não tenho apreço algum pela carreira de fábio assunção e não o conheço pessoalmente além do contato visual altamente indesejado de ver alguém, mijando em seu próprio carro, mas isso não me da o direito de em vê-lo em uma situação ruim fazer de tudo para torna-la ainda pior. infelizmente coo eu sempre tenho notado ultimamente com cada vez mais frequência, fracassamos  como nação. que pena.

é isso.

ouvindo: Beyoncé
Postar um comentário