domingo, 12 de novembro de 2017

A Morte de Helena (Aquela Que Nem Nasceu)



Helena é uma moça linda. Saudável, inteligente, gosta de música boa, tem sacadas ótimas, um intelecto privilegiado, adora ler uma cultura bem acima dos parâmetros normais. Helena, enfim, é uma moça muito acima da média. Não diria que ela é uma moça a frente de seu tempo, diria que ela é atemporal.

Helena tem amigos, muito amigos. É bem relacionada. Sem ser falsa com ninguém, transita em várias rodas e circula em todos os ambientes sociais com  a mesma desenvoltura. Helena é relativamente jovem e tem a paixão de muitos homens, mas está tão empolgada com seus estudos, com suas coisas que n ão tem tempo para apaixonar-se, não no momento.  Helena tem um jeito de vestir-se que chega a emocionar quem olha. Uma elegância com um certo toque despudorado, se é que me entendem, que faz com que suas combinações sejam invejadas pelas mulheres e amadas pelos homens que tem bom senso, aqueles com olhar de esteta, não de lobo. Helena não se veste para matar e sim para sere elegante. E consegue.

Helena prefere ir ao show de Arnaldo Antunes ao de Luan Santana e isso diz muito sobre ela. Ela lê todos os clássicos da literatura não para se vangloriar, mas para obter conhecimento, para entender o mundo por ela mesma, não para que alguém tenha que lhe explicar o que acontece ao seu redor e ela tenha que entender a visão de outra pessoa ou invés de formular a sua própria. Helena tem sede de saber, fome de aprender. Helena é sensacional.

Helena tem alguns defeitos, mas não saberia enumera-los, porque Helena é tão tão bacana que falar de seus defeitos é uma perda de tempo. Muito melhor falar de suas qualidades de sua visão de mundo, de sua intrigante gargalhada e de seu comovente olhar, que as vezes se perde no horizonte de tudo o que tem para viver.

Helena é assim em grande medida porque teve pais sensacionais a concebe-la. Helena teve todo suporte deles ao crescer e conforme crescia, foi sendo apoiada em suas ideias e estimulada em seus sonhos aprendeu que podia sonhar sem medo e que melhor, poderia realizar seus sonhos se realmente assim o quisesse. Os pais de Helena eram realmente gente boa e se amavam demais e crescendo em um lar onde o amor floresceu, ela não poderia ter outro destino a não ser o de uma pessoa que rescende amor por onde quer que passa. Helena é sensacional!

Uma grade pena é Helena ter morrido. E morreu porque nunca existiu na verdade, a não ser nas minhas abstrações sem sentido, como no final das contas tudo mais é sem sentido vindo de mim. Helena seria uma boa criança, adolescente, mulher que um dia poderia ter existido se tivesse os pais que mencionei. Não teve, não foi concebida e segue sendo uma abstração que as vezes me parece real demais, só que não.

É isso.

Ouvindo: Belchior 
Postar um comentário