quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Trolls, O Filme


Tenho um sério problema com os desenhos animados de hoje em dia. São violentos demais, místicos e cínicos ao extremo. Sim, os desenhos de minha época também tinha violência e misticismo (Thundercats e He Man são apenas dois exemplos), mas não eram cínicos. O Cinismo me incomoda, como também  a distorção de valores, a falta de sinceridade e a sobra de falsidade, os roteiros frouxos baseados em uma ação desenfreada e a nulidade de diálogos minimamente palatáveis. Afinal, ainda que sejam desenhos para crianças, elas merecem sim ter diálogos que as estimulem a falar melhor também, por que não? Não precisa didatismo, mas um pouco de respeito pelos espectadores mirins cairia muito bem.

Neste contexto caótico de desenhos abobalhados e infelizes, "Trolls" animação da Deamswork surge como um refrigério para quem tem que acompanhar seus petizes ao cinema. Um desenho como a tempos eu não via, terno, com uma temática sobre amizade e suas implicações e sobre responsabilidade de uns para com os outros de uma mesma comunidade mas sobretudo sobre a felicidade e como ela é simples de se encontrar e de como complicamos todo o processo apenas por acreditar em bobagens e esquecer o essencial.

Infelizmente, talvez Trolls não impacte positivamente a geração Cartoon Network, pois não tem a menor correspondência com bobagens como  Bob Esponja, Laranja Irritante, Gumballs e outras bobagens, mas ontem eu sai feliz da sessão a qual assisti Trolls. E sai feliz porque pude ver um desenho em que os personagens eram muito bem delineados em sua moralidade, sem surpresas, ambiguidades, sem meias palavras e o roteiro além de enxuto não ridicularizou nem crianças e nem adultos que se dispuseram a sentar e acompanhar o seu desenrolar com reviravoltas mirabolantes (a única que houve estava perfeitamente encaixada no contexto e muito menos com diálogos frouxos.

Claro que há de se levar em conta que Trolls é antes de mais nada um musical em forma de desenho animado, mas mesmo os números musicais acompanham o desenrolar da história sem ser um apêndice desconectado do restante do filme e sim  se comportam como um suporte a estrutura narrativa.

Trolls não é nem de longe o melhor desenho infantil já produzido, mas em um momento em que as idéias para este segmento seja no cinema, seja na TV são rasas e sem conteúdo algum, assistir um filme como este faz valer a pena com sobras o tempo que se fica em uma sala escura com outras crianças além da sua e que não são tão educadas como a sua além de tudo.

A velha lição de moral estava lá, nítida, muito bem explanada e mesmo o final dos "vilões" foi tão sutil que não traumatizou a criança alguma. Ainda bem.

É isso

Ouvindo: Justin Timberlake

Postar um comentário