sexta-feira, 31 de março de 2017

eu ganhei um campeonato de leitura, mas não levei o prêmio, ao menos, não todo ele.



meus parcos anos escolares se dividem em minhas lembranças em apenas duas professoras: milvia, uma professora que sabia incentivar um menino com tdha que não se concentrava de jeito nenhum e tirava o melhor de mim com atividades diferenciadas, pensadas para mim e mais ninguém e que me despertaram um gosto absurdo pela leitura (aos 12, já fora da escola completei a leitura de todos os clássicos da literatura que realmente importam e que continuo relendo-os até hoje), e a professora eliana.

eliana, era uma professora absolutamente pateta, que não merecia respeito nem de adultos e nem de crianças. tinha seus alunos favoritos e deixava isso claro. ridicularizava meus desenhos ( que de fato eram ridículos) e a forma com que eu os pintava. eliana, não ensinava,  dava broncas incessantes e por qualquer motivo me mandava a sala do diretor da escola. ficamos íntimos eu e ele de tanto que nos víamos. Eliana era uma tremenda babaca.

no meu último ano em que frequentei a escola, na quarta série do antigo primário, houve um concurso de leitura na escola. o prêmio, para mim, valia mais que qualquer dinheiro que me dessem, uma coleção de livros completa da coleção vagalume e sei lá porque, um exemplar magnífico de "o engenhoso fidalgo don quixote de la mancha" quem ganhasse o concurso levava tudo isso, um tesouro. o segundo e terceiros colocados não levavam nada, típico pensamento de brasileiro.

pois bem, tinha um detalhe apenas que tornava tudo mais legal para mim, só podiam competir os garotos e garotas do ginasial, mas a professora milvia fez questão de me inscrever e bancar que eu ganharia. eliana, a professora de satã, também inscreveu um de seus alunos preferidos, o tal de marcelinho. marcelinho me lembrava o riquinho rico, não por eu ser muito pobre, mas por ele ser escandalosamente rico e metido a besta. bom, vamos lá, eu e marcelinho contra os meninos e meninas da quinta a oitava série.

o concurso era mal elaborado pra caramba. consistia em uma redação que classificaria os 10 melhores escritores para a leitura final de uma poesia de drummond, um texto de uma revista que n ão lembro qual era e um trecho, de don quixote. desconfio que o diretor da escola tinha descendência espanhola e direta da família de cervantes. só pode.

não preciso, creio eu, dizer quem ganhou com um pé nas costas a fase de redação. foi  humilhante. fiz uma redação contando que don vito corleone havia chegado no céu e quando perguntaram a ele como isso tinha acontecido, ele disse que havia feito uma proposta a qual são pedro não pode recusar. bom, entendedores entenderão e entenderão que aos 09, 10 anos eu já havia lido "o chefão " 2x e captado evidentemente a essência do livro. não, os professores não sabia do que se tratava o livro, apenas me deram a vitória porque era um texto saboroso.

bom, marcelinho, lá em 8 lugar passou também da fase de redação e no dia da leitura, estava inpirado. na leitura de drummond estava eu com muita preguiça e passei raspando. ficamos em cinco, eu marcelinho uma menina linda, ana paula bonetti e mais dois bocós de mola. na leitura do texto da tal revista que não me lembro,  dona milvia veio me dizer que precisava que eu ganhasse, que confiava demais em mim e que eu era o melhor. batata! destruí os oponentes com uma interpretação inacreditável sobre uma noticia qualquer. ficamos eu, marcelinho, o chato e ana, a linda. e fomos para cervantes.

o texto, jamais esquecerei, versava sobre o  encontro de don quixote com algumas pessoas que lhe contaram sobre grisostomo e marcela. (leia sobre eles no meu blog, tem um  texto em que falo sobre este trecho do livro) le-lo, foi um impacto para mim já naquela época. fiz uma leitura tão linda, mas tão linda, tão emocionante, que fui aplaudido, de pé. e ainda ganhei um beijinho da ana. só não fiz a dancinha do Carlton porque não havia na época ainda nem o personagem e obviamente nem a dança.

mas ai entrou em cena, eliana. inconformada com o segundo lugar de seu pupilo, chamou o diretor e demais professores e conseguiu fazer com que eles dividissem os prêmios. fiquei com os livros da coleção vagalume, que li em uma semana a todos e marcelinho ficou com don quixote. eu queria, obviamente, don quixote. e como queria. se havia a beleza de grisostomo e marcela no livro, quantas outras aventuras não haveriam ali? fiquei desgostoso e não voltei mais para a escola. me enfurnei em na biblioteca mais próxima que achei e durante uma semana, li don quixote e viajei com ele em suas loucas aventuras.

eliana, a professora inútil, me tirou qualquer vontade de ir a escola e logo depois desisti de vez. querem saber? agradeço demais a ela por ter praticamente me expulso de uma escola que nada me dizia. fui mais feliz sema influência nefasta da educação formal e trouxa que as escolas ofereciam. mas dona milvia mora em meu coração até hoje e sempre morará.

é isso.

Ouvindo; Felipe Valente.
Postar um comentário