quarta-feira, 1 de novembro de 2017

A Farmhouse Christmas



Quem me conhece um pouco sabe que eu amo muito duas coisas e odeio uma. Amo uma dupla chamada Joey + Rory, que na verdade nem é mais uma dupla, uma vez que Joey morreu, infelizmente, e também amo demais álbuns com canções natalinas, desde que bem feitos, é claro. álbuns bem feitos sejam de canções de natal sejam do que for são difíceis de encontrar, uma vez que 99% do que se produz musicalmente no mundo é porcaria, lixo da pior espécie. Não é o caso de A Farmhouse Christmas,  da dupla citada que é talvez o melhor álbum de natal que já ouvi.

Música Country não é para qualquer artista. Requer um conhecimento do que se esta cantando e digo mais, do que se esta representando. Sim, creio que certos estilos precisam ter representantes e não apenas intérpretes pontuais. Precisam ter artistas que mais do que cantar e tocar como o estilo pede, tenham também uma vida baseada em suas raízes, que consigam passar comprometimento com o que cantam, consigam mostrar que são mais que simples aventureiros. Posso estar viajando, afinal música é musica e quando falamos de música profissional ela é feita para entre outras coisas dar lucro. Mas eu sou um cara que viaja mesmo e nas minhas viagens, artistas se comprometem primeiro com o que cantam e a verdade dentro disso. O dinheiro vem depois.

Farmhouse é um álbum comprometido. Tanto com o Country, como com o Natal.  Arranjos enxutos, interpretações contidas porém poderosas e o mais importante, um álbum para ser ouvido o ano todo. Não soa datado em momento algum e essa talvez seja a sua maior qualidade pois ser atemporal é o que se espera da arte entre outras coisas. Em muitos momentos nem parece um trabalho natalino. A faixa "What The Hell (It's The Holidays)" é de um charme poucas vezes visto em trabalho como este e merece ser ouvida várias e várias vezes. Pode começar agora, se quiser...



A beleza de trabalhos assim reside exatamente no amor com o que são produzidos. Na identificação entre o artista e sua arte, na sintonia alcançada com seu público e sobretudo na verdade que existe em cada música, em cada acorde. Não é fácil alcançar tal resultado porque exige um comprometimento, uma doação que poucos artistas querem entregar.

Há, ia me esquecendo. A coisa que odeio né? Falei das duas que gosto, tenho que falar da que odeio também. Odeio o natal! Odeio! Com todas as minhas forças! Data queb eu baniria fácil de qualquer calendário se tivesse algum poder.

É isso.

Ouvindo: Joey +Rory
Postar um comentário