sábado, 11 de novembro de 2017

Holywood e Seus Predadores



Eu, em minha total ignorância, fico me perguntando onde esta A decência do mundo. Um minimo dela que seja. Uma nesga de justiça em um mar de podridão. Leio aterrorizado e aparvalhado os casos de assédio sexual em  Holywood e me pergunto como tanta podridão passou por debaixo do tapete por décadas e quantas pessoas  realmente poderosas em seu meio usaram de seu poder para destruir tantas vidas. Não é justo dizer que essas vítimas de abusos apenas jogaram o jogo dos poderosos e poderiam ter se recusado a ceder as  suas investidas. Não é verdade. Poder é poder, seja na política, na iniciativa privada, no mundo dos esportes e também e talvez sobretudo no mundo do entretenimento.

Falamos de um mundo onde a vaidade fala mais alto e muitas vezes é uma característica patológica e para estarem em evidência, muitas dessas pessoas são sim capazes de fazer coisas de corar Satanás, mas não cabe a quem detém o poder exatamente refrear os excessos e manter um clima minimamente descente de trabalho ao invés de instigar de todas as formas possíveis que estas pessoas se violem e aos seus princípios para conseguirem o que querem? Será que as pessoas realmente deveriam acreditar que por ser um ambiente de entretenimento as pessoas que lá estão deveriam sere todas promíscuas e ceder aos desejos de seus patrões sejam eles quais forem? Evidente que não.

Temos a tendência a achar que atores, produtores e demais profissionais deste mundo sejam todos dispostos a agirem de forma dissoluta, mas a verdade é que não são. Um ator tem antes de mais nada um dom que encanta a milhares as vezes milhões de pessoas que entram em contato com suas atuações. Atrizes podem emocionar plateias e levar as lágrimas quem se encanta com seu trabalho. Diretores embora menos cotados, são fundamentais para o corte preciso, para o angulo inusitado, para a percepção inesperada de um detalhe que muda a narrativa e compreensão de um filme. São portanto trabalhadores como eu e você e jamais deveriam ser expostos a desmandos sexuais de toda ordem como os que vem sendo sistematicamente relevados.

Não sou é claro, um puritano, longe disso. Mas creio que sexo seja ele feito de forma contida, romântica ou despudorada e pervertida, muitas vezes depravada, seja um direito inalienável de todo e qualquer cidadão desde que consensual. Simples assim. Não pode haver obrigação, coerção ou o que quer que seja para que haja sexo. E o que se vê são  relatos que apontam exatamente para estas práticas degradantes.  Há é claro, que se ter um filtro sobre tudo o que é publicado, pois a sede de publicidade por parte de alguns é insaciável, mas ainda sim, toda a verdade revelada e não negada já é suficiente para causar horror e espanto a quem tem moral, ainda que em um nível minimo.

Há que se punir exemplarmente os responsáveis, mas mais importante que isso, há que se ter um olhar de compaixão por quem sofreu tantos e tamanhos abusos. A vida dessas pessoas jamais foi a mesma e o tempo de silêncio só fez piorar a situação. Ninguém andou o caminho dessas pessoas e nem usou os sapatos desconfortáveis que elas usaram. Meu desejo é que haja conforto para essas pessoas e que tudo o que tem sido trazido a tona sirva para mudar esse panorama deplorável.

É isso

Ouvindo: Cindy Morgan
Postar um comentário